A Educação Pública de São Paulo pede socorro, desde Escolas Públicas até a USP.

São Paulo é o estado mais rico do país, o estado que mais arrecada impostos, o Estado com mais emprego e que deveria ter a melhor estrutura em todos os quesitos do país. Mas não é bem assim que acontece.

O Estado recebe por mês, um dinheiro absurdo para investir nas escolas públicas e na educação do estado em geral. Ao andarmos dentro das escolas, vemos que aparentemente esse dinheiro não chega na mesma. Desde falta de papel higiênico até buracos nas paredes das salas de aula. Os alunos não têm estrutura alguma para ter um ensino de qualidade, logo ficam em uma enorme defasagem se comparado com qualquer aluno de qualquer escola particular do Brasil.

O Governo do Estado de São Paulo pretende fechar 150 escolas da rede pública em todo o estado para reduzir gastos, com a desculpa de que é para melhorar a qualidade da educação. Como melhorar a qualidade superlotando salas de aula que nem ventilador tem? São diversas indagações sem respostas.

Não é só a escola pública que está em decadência. A USP já foi um modelo mundial em diversos cursos, atualmente caiu 68 posições no ranking mundial de qualidade, ficando atrás da Universidade de Buenos Aires, no ranking da América Latina. O vestibular da FUVEST é difícil, os materiais são caros, o interesse tem caído cada vez mais com a decadência da Universidade.

Isso é devido a falta de investimentos na mesma. Há um tempo atrás, a porcentagem de investimento minimo que a universidade poderia receber ao mês, era cerca de 9%, atualmente, a porcentagem de investimento máxima não passa dos 10%.

A população não está interessada em propostas ou prosperidade, mas sim na legenda. Generalizando, enquanto votarmos na legenda e não no político, a nossa sociedade jamais irá para frente.

Postagens mais visitadas deste blog

Manual para se entender um osasquense

O extremo potencial turístico de Osasco

E se a Zona Norte de Osasco virasse mesmo uma cidade?