Eleições 2016: Análise dos candidatos

Foto: Arthur Camarotto
Pela primeira vez em anos, Osasco decide as eleições municipais no segundo turno. Os dois candidatos que disputam a prefeitura da quarta maior cidade do Estado de São Paulo são: o prefeito Jorge Lapas (PDT) e o candidato Rogério Lins (PTN).

Jorge Lapas foi eleito em 2012 sem o voto popular. Foi o segundo candidato mais votado, atrás do ex-prefeito Celso Giglio (PSDB), que teve a sua candidatura caçada devido às suas contas desaprovadas pelo TSE. O que causou grande revolta e rejeição por parte da população.

Rogério Lins já trabalhou na câmara dos vereadores da cidade de Osasco, e sempre foi criticado nos debates por ter apresentado poucas propostas nos muitos anos em que trabalhou no poder público da cidade, mas conseguiu muito apoio popular por ser um rosto "novo", e conquistou o apoio dos ex-prefeitos Francisco Rossi e Celso Giglio.

Durante os debates, Rogério Lins demonstrou estar inseguro e decepcionou muitos com as suas propostas pouco concretas e tendenciosas, "Osasco não é uma cidade interiorana que pode simplesmente parar", afirma a economista Bárbara Tonato, moradora do Jardim Bela Vista. Rogério Lins pretende parar a cidade por dois anos, para que faça um balanço geral das contas, e afirmou que o problema das enchentes pode ser resolvido até 100% com piscinões, descartando o projeto de reurbanização do bairro Rochdale, proposto na atual gestão. O candidato ganhou apoio incondicional após se posicionar a favor da circulação de carros da Uber na cidade, da qual o seu concorrente se posicionou contra. Rogério afirmou também que faz parte do seu plano de governo a substituição de quase 100% da atual camada asfáltica da cidade.

Em contrapartida, Jorge Lapas mostra-se muito confiante, desde o primeiro debate, até demonstrando uma certa arrogância nas palavras, mesmo com a alta rejeição que a população osasquense tem demonstrado contra o mesmo. Porém, apresentou diversos projetos, que se colocados em prática, darão outra cara para a cidade de Osasco. Dentre eles estão as Operações Urbanas Consorciadas Tietê I e II, que prometem revitalizar o bairro do Bonfim (centro) e resgatar uma parte morta do Bairro KM 18, a reurbanização do Jardim Rochdale, que envolve construção de conjuntos habitacionais, construção de avenidas, parques, áreas de lazer e canalização do braço morto do Rio Tietê, e a segunda fase da Avenida Visconde de Nova Granada, que promete um túnel até o acesso ao Rodoanel Mário Covas. Porém, praticamente todas as promessas foram realizadas nas eleições de 2012, e não foram de fato cumpridas até então.

Mesmo com a rejeição, Lapas mostra-se mais confiante e apresenta propostas grandes, concretas e que em muitos casos estão em andamento. O segundo turno acontece no próximo Domingo, dia 30/10, e os resultados serão totalmente imprevisíveis. 

Postagens mais visitadas deste blog

Manual para se entender um osasquense

O extremo potencial turístico de Osasco

E se a Zona Norte de Osasco virasse mesmo uma cidade?