Qual seria o Programa Habitacional ideal para Osasco?


OsascoDesde a gestão Emídio, a Prefeitura de Osasco por meio da Secretaria de Habitação possui um Programa que seria essencial para cidades com um déficit habitacional pequeno. O programa atual consiste em retirar famílias de locais de risco e de áreas irregulares, inscrevê-las no programa “Bolsa Aluguel” (um valor de auxílio no custo de R$ 300,00 para ajudar essas famílias a pagar um aluguel) até a Prefeitura construir Conjuntos Habitacionais para alojar definitivamente tais famílias. Todavia, Osasco está longe de ter um déficit habitacional pequeno.
No inicio, todos acharam a iniciativa essencial, mas com o passar do tempo fica difícil não perceber que a existência desse programa só fez o déficit aumentar, pois muitas famílias das cidades ao redor (e até mesmo de outros estados) migraram para Osasco em busca de um apartamento popular, pois é uma das únicas Prefeituras do país a doar o imóvel sem custo algum para as famílias de baixa renda.
Osasco
A cidade têm quase 700 mil habitantes, e é o local com a maior concentração da população em favelas da região Oeste da Grande São Paulo. Existem diversos conceitos do que seria um Programa Habitacional ideal para as cidades grandes, porém, nesse artigo, abordaremos uma adaptação que fizemos do programa 80/20 que existe em Nova Iorque desde a década de 80, e até hoje não falhou.

Para nós, um programa ideal seria uma espécie de 70/20/10 (uma adaptação do 80/20 para a realidade brasileira). A ideia consiste em uma parceria com construtoras e incorporadoras da região, onde a Prefeitura incentive a construção de condomínios residenciais em diversas regiões de Osasco, onde 10% dos apartamentos desses empreendimentos seriam doados para famílias que recebem menos de 1,5 salários mínimos mensalmente, 20% dos apartamentos seriam vendidos abaixo do valor de mercado para famílias que recebem até 3 salários mínimos (o desconto seria definido de acordo com as condições de tais famílias), e 70% dos apartamentos seriam vendidos ao preço de mercado para famílias que recebem mais do que três salários mínimos, porém, com o financiamento do Programa “Minha casa, minha vida”, do Governo Federal.
Osasco
Esse possível programa ajudaria a Prefeitura à “desfavelizar”  a cidade, melhorar a qualidade de vida dos cidadãos e ainda por cima, sairia o mínimo de dinheiro dos cofres públicos, tornando a ideia totalmente rentável e benéfica para a cidade, tendo em vista que diversos bairros esquecidos pelas incorporadoras poderiam ser visados para possíveis futuros empreendimentos fora do programa.

Para que o projeto seja bem sucedido, seria necessário um investimento em massa na especialização da mão de obra de pessoas pobres, seguido de um investimento pesado na geração de empregos e atração de novas empresas para a cidade. Com esse programa, Osasco cresceria em qualidade de vida e economicamente, a cidade ficaria mais bonita e os cofres públicos mais cheios para futuros projetos, só precisamos de um Secretário de Habitação aberto às propostas que contribuam para o bem da cidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Manual para se entender um osasquense

O extremo potencial turístico de Osasco

E se a Zona Norte de Osasco virasse mesmo uma cidade?